CASAMENTO NO RIO DOURO

180216_CasamentoJuliana&Thiago-69

   Casar em fevereiro? Porque não? E se for no Porto, num barco de cruzeiro, subindo as correntes do rio Douro? É preciso ter muita coragem (pensarão alguns), ou muito, muito, muito amor…   Celebrar o casamento da Juliana e do Thiago foi para mim um verdadeiro desafio: semanas de condições climáticas implacáveis, até à véspera do casamento, quando repentinamente chegou a previsão de algumas horas de acalmia.

   Naquela amanhã, a Ribeira acordou tarde: com muita preguiça, cafés e restaurantes começavam a abrir, os empregados olhavam para aquele denso teto de nuvens, à procura de um sinal de mudança.

  Vestidos como Esquimós, grupos de turistas chineses moviam-se rapidamente pela Ribeira, aparentemente sem rumo, sorrindo a todas as pessoas com quem cruzavam. Quando a noiva apareceu, com o seu vestido branco a contrastar com a paleta de cores cinzenta que nos rodeava, foi cumprimentada com salvas de palmas.

    O barco zarpou, começando a subir o rio. Com capacidade para cerca de trinta pessoas, uma pequena mesa à proa, decorada com umas flores, o amplo espaço era todo para os noivos, rodeados, naquele dia tão especial, pelo amor e carinho dos pais da noiva (em representação da família toda), e de uma amiga, em representação dos amigos deixados em Porto Alegre. Por incrível que apareça na véspera, o rio corria calmo, não fazia frio e não havia ondulação, se não quando outros barcos se aproximavam para cumprimentarem ou, quem sabe, brincarem connosco. 180216_CasamentoJuliana&Thiago-121

 Quando se avistou a Marina o barco iniciou a descida. Concentrados na celebração, pelo canto dos olhos víamos passar casas, ruínas, estradas, rochedos, dois ciclistas a acenarem, aves com voos rasantes sobre à água. Percebi que passávamos sob a Ponte Luís I por ouvir os gritos e as palmas dos turistas sobre as nossas cabeças.

  O tema do casamento era, e não podia ser outra coisa, a água, que tem caraterizado fortemente a vida e a história de amor dos noivos. Uma historia representada como dois afluentes que confluem numa grande rio, que se alarga para caberem duas vidas. Conta esta história que, tal como o rio, os noivos também passaram por diversas rápidas e quedas de água, antes de chegarem às águas verdes, mansas e profundas do Douro, que carregam os valores, planos e sonhos do casal.

  10408528_858377854258506_4239417882065280828_nPassarmos a Ponte da Arrábida foi como entrar na atmosfera dum outro planeta, o frio, o cheiro e o vapor do Oceano envolveram o barco, ao ponto de nos parecer ouvir ao longe o estrondo daquelas ondas de 6, 7 metros que estavam a castigar toda a costa portuguesa. Chegados a Afurada viramos para iniciar a navegação de volta para a Ribeira.

 Eu, Juliana, aceito-te, Thiago, como meu esposo. Quero partilhar contigo a minha vida, juntos construiremos os nossos sonhos…

 Juliana, recebe esta aliança como sinal do meu amor por ti, respeito e fidelidade… 180216_CasamentoJuliana&Thiago-134

   Ultrapassar a barreira da Ponte de Arrábida, ao voltar, foi como entrar de repente numa estufa quente, mesmo à altura certa para abrirmos o champagne e festejarmos os noivos.

 Antes da assinatura do simbólico certificado de casamento, não podia faltar, navegando no Douro, a celebração do rito da garrafa, que ficará na minha memória. Por razões de espaço na mala, os noivos escolheram uma caixa de vinho do porto tão pequena, tão pequena onde, seguramente com alguma ciência, conseguiram comprimir os votos, o texto da cerimónia, as leituras, as mensagens, enfim, tudo. Daqui a um ano, no primeiro aniversário de casamento, após terem aberto (não sei como…) a caixinha, os noivos abrirão a garrafa para brindarem; será uma ocasião para festejarem a própria união e lembrarem aquela magnífica e tão romântica cerimónia que viveram naquele dia de fevereiro, navegando no Douro.

About Mariano Salvatore Sarno

Vivo em Portugal desde 1993. É uma terra que amo, que me deu muito, e que continua a dar-me muito. Ano após ano, exploro as incríveis belezas deste País, nas minhas muitas viagens pelos recantos mais remotos, organizando casamentos e cerimónias, e ajudando os noivos a realizarem os seus sonhos.
This entry was posted in Uncategorized and tagged . Bookmark the permalink.