Ritos especiais para casamentos

   

É muito romântico e emocionante concluir  a cerimónia com um rito simbólico. Há  muitos possíveis, alguns modernos, outros mais antigos e tradicionais.

A seguir apresento de forma muito sintética os  ritos que prefiro, pela emoção que trazem e pelo efeito espetacular.

   No rito da luz o Celebrante entrega aos noivos  as velas  com as quais  acendem uma vela maior. O rito representa o nascimento de uma nova família, uma unidade formada pelos noivos, que nela  fundem as suas energias mantendo  cada um  a sua individualidade e personalidade. É esta fusão de energias que dá vida e força ao casamento. Por isso as três velas continuam acesas.

 

Rito da areia

No rito da areia, os noivos, cada um com um frasco com areia de cor diferente, enchem um vaso maior e decorativo; as areias misturam-se, criando  uma linda combinação  de cores. O vaso ficará em casa numa posição visível, e será uma bonita  lembrança do casamento. Também neste rito são representadas as  duas personalidades que se mantêm distintas, mas que se fundem para  criar uma nova estrutura: a família. Gosto quando participam também os filhos, com uma terceira cor de areia. Cada cor representa o passado e o presente, o vaso do Casamento e da União, representa o futuro.

 

Love letters and wine box

 

No rito da garrafa, os noivos fecham numa caixa apropriada uma garrafa de vinho especial com duas cartas de amor, juntamente com as mensagens escritas pelos convidados. A caixa e a garrafa serão abertas na data do primeiro, terceiro ou quinto aniversário de casamento,  para comemorar e lembrar o dia do casamento, lendo as cartas e as mensagens.

   No rito da rosa os noivos trocam duas  rosas vermelhas. A rosa será o símbolo do amor do casal. Em casa,  um lugar significativo será escolhido para colocar uma jarra onde, nos momentos importantes, uma rosa vermelha será  posta para transmitir uma mensagem de amor.

   No rito dos anéis, as alianças passam pelas mãos dos convidados que as aquecem, enquanto dedicam mentalmente um lindo pensamento aos noivos. As alianças, assim energizadas, chegam aos noivos para a fase conclusiva da celebração.

Algarve-Casamento Dream Day Wedding Planner-Foto Golden Days Photography

 O handfasting é um antigo rito celta. No momento dos votos, o Celebrante ata as mãos dos noivos com 3 fitas simbólicas, que no fim da cerimónia  serão retiradas e guardadas numa caixa apropriada, para  lembrar a ligação que foi criada entre os noivos no casamento.

 

 

Aveiro

O rito da árvore:  uma muda de árvore, um pouco de terra, um regador e uma pá de jardinagem é o kit necessário para este lindo rito. Os noivos, no momento certo, derramam no vaso um pouco de terra e regam a árvore. Cuidar de uma árvore não é muito distinto de cuidar de um casamento: planta-se com amor, rega-se com carinho, e será partilhada com as futuras gerações. Ritual perfeito para um casamento ao ar livre e para os casais que amam a natureza.

   O rito do Quaich. 

É uma antiga tradição Celta. Um gesto de hospitalidade e boas vindas, mas também de confiança, para celebrar um acordo, um contrato, bebendo as duas partes da mesma taça. O Quaich, a taça do Amor, tendo duas asas, obrigava quem oferecia e quem bebia a utilizarem as duas mãos, o que excluía que o outro pudesse empunhar uma arma; não só, partilhar a mesma bebida dava alguma garantía que não fosse envenenada. O celebrante verte na taça vinho, whisky ou outra bebida à escolha dos noivos. Este gesto de partilha e prazer, simboliza a união do casal, e o desejo de partilharem as suas vidas e todas as experiências do casamento, doces e menos doces. Formaliza o acordo entre eles, simbolizando a fusão das duas famílias.

   O rito das 3 cordas (the God’s Knot), é especialmente indicado para os casais com uma forte espiritualidade. Este rito simboliza a união dos noivos com Deus. Deus torna-se o elemento central do casamento, o terceiro Protagonista que, com o Seu amor, dará vida e união à nova família. A primeira corda, cor de ouro, representa Deus; a segunda, de cor branca, representa a noiva, portanto a pureza; a terceira o noivo. As três cordas devem ser presas, num dos lados, com um anel ou um laço, com a corda ouro firme no meio. O noivo segura este cabo, em quanto a noiva forma com as três cordas uma trança. O Celebrante, simbolicamente, aterá as mãos dos noivos com a trança, com um nó especial, até o fim da cerimónia.